Hoje a capital federal completa 50 anos! Abaixo o que era o Congresso Nacional, na sua construção, e o que é hoje. Segue também texto publicado por Oscar Niemeyer, o arquiteto da obra grandiosa, explicando a concepção da mesma. Vale uma leitura!
Bom feriado!
“Arquitetura não constitui uma simples questão de engenharia, mas uma manifestação do espírito, da imaginação e da poesia.
No Palácio do Congresso, por exemplo, a composição se formulou em função desse critério, das conveniências da arquitetura e do urbanismo, dos volumes, dos espaços livres, da oportunidade visual e das perspectivas e, especialmente, da intenção de lhe dar o caráter de monumentalidade, com a simplificação de seus elementos e a adoção de formas puras e geométricas. Daí decorreu todo o projeto do Palácio e o aproveitamento da conformação local, de maneira a criar no nível das avenidas que o ladeiam uma monumental esplanada e sobre ela fixar as cúpulas que deviam hierarquicamente caracterizá-lo.

 Tivesse estudado o Palácio com espírito acadêmico, ou preocupado com as críticas, e ao invés dessa esplanada, que a muitos surpreende pela sua imponência, teríamos uma construção em altura.

… que hoje se estende em profundidade, além do edifício, acima da esplanada, entre as cúpulas, abrangendo a Praça dos Três Poderes e os demais elementos arquitetônicos que a compõem, somando-se plasticamente e tornando, assim, a perspectiva do conjunto muito mais rica e variada.

A cúpula da Câmara dos Deputados demandava um estudo cuidadoso que a deixasse com que apenas pousada sobre a esplanada, isto é, a cobertura do prédio; o mesmo acontecia com esta última, cujo topo é tão fino que ninguém imagina constituir, internamente a galeria do público que liga os dois plenários.

Internamente, o projeto procura criar os grandes espaços livres que devem caracterizar um palácio, para isso utilizando elementos transparentes que evitam transforma-los em pequenas áreas.

A forma arquitetônica – mesmo contrariando princípios estruturais – é funcional quando cria beleza e se faz diferente e inovadora.”

(Oscar Niemeyer)
Categorias: Arquitetura

2 Comentários para “Brasília 50 anos

  • Adalberto no dia escreveu:

    Visitei Brasília várias vezes,algumas como simples “passante” pois me deslocava do RJ para Belém e obrigatóriamente passávamos por lá,mas uma vez em 2007 detive-me por lá,fiqei mais tempo,fiz um breve passeio,andei,observei…esta cidade do planalto central.
    O que vi foi uma cidade linda arquitetônicamente(não sou arquiteto,escrevo como leigo é apenas meu sentimento…),mas ela me despertou a sensação de que nunca consegiremos através dos habitantes do congresso,do senado e do palácio do alvorada avançar nas questões sociais de forma a tornar nosso povo mais feliz…senti que o espaço geográfico de Brasília é propício ao isolamento dos referidos habitantes.Eles estão lá! Nós? Aqui…”e meus heróis morreram de overdose,meus inimigos estão no poder…” Adalberto.

    Responder

  • Adalberto no dia escreveu:

    Puts!!! Pessoal,li outra vez meu texto,nossaaa errei feio e nem percebi!!!CONSEGUIREMOS,TEM U,OK????!!! ELE NÃO SAIU PQ MEU NOTEB.TÁ COM PROBLEMA NA TECLA U!DESCULPEM!!!ALTERA AI ÉRICA!PLEASE!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *